Acompanhe aqui:

20 de fevereiro de 2015

O retorno de um jogador pensando em ser o dono


Leia no blog: O moleque, você tem quantos anos?
No Facebook: Curta a nossa página

Nesse último dia para as franquias finalizarem negócios e acertarem trocas, uma trade que chamou atenção foi o retorno de Kevin Garnett ao time que o projetou na NBA, onde ele foi eleito o MVP, elegido ao All-Star Game e que lhe rendeu muitas alegrias durante os mais de 11 anos de parceria. Após passagem de sucesso no Boston Celtics e de dois anos com o Brooklyn Nets, KG é novamente jogador do Minnesota Timberwolves.

E o envolvimento entre jogador-time vai muito além das quadras. Fontes da ESPN apontam que Garnett pensou, pensou, pensou, até relutou, mas aceitou a troca. Por que ele pensou tanto? Talvez estivesse projetando e planejando o retorno nos mínimos detalhes. A atual temporada pode ser a última de sua carreira, ou seja, jogará poucas partidas nesse retorno e se aposentará. O curioso é que muita gente afirma que Garnett deverá comprar a franquia e se tornar o dono.

No ano de sua estreia como jogador profissional, KG viu Flip Saunders assumir o barco em meio a temporada 1995/1996. Apesar do começo turbulento, o Wolves cresceu e virou uma franquia de respeito dentro da competitiva conferência oeste. Deu tão certo que ambos são amigos até hoje e nenhuma troca no passado abalou a amizade. E nesse retorno do ala-pivô, Flip não pensou duas vezes. Sabe das ambições do jogador.

Hoje com 38 anos, KG nunca escondeu a vontade de comprar o Minnesota Timberwolves.  O proprietário, Glen Taylor, tentou vender suas ações por dois anos, no entanto decidiu que venderá a organização para alguém que conhece muito bem a equipe. Que tal o rapaz que fez história por lá?

Fundado em 1990, os Wolves veem Garnett como o recordista em:

- Partidas disputadas
- Minutos jogados
- Arremessos convertidos
- Arremessos tentados
- Bolas de 2 arremessadas
- Bolas de 2 convertidas
- Lances livres convertidos
- Lances livres cobrados
- Rebotes ofensivos
- Rebotes defensivos
- Total de rebotes
- Roubos de bola
- Assistências
- Turnovers
- Tocos
- Faltas pessoais
- Pontos

Mais identificado com Minneapolis impossível! Sua chegada para a disputa da reta final da temporada pode servir de preparação para voos mais altos. Você pode até pensar que o Wolves fez uma bela de uma cagada ao trocar Thaddeus Young por um jogador em final de carreira, que está anotando míseros 6,8 pontos e apanhando 6,8 rebotes por jogo. Mas como dito no início desse post, toda essa troca supera os limites das quadras. Resgata o jogador que a torcida ama, idolatra e que proporcionou felicidade ao povo de lá. Vai impulsionar, sem dúvidas, a venda de ingressos de uma equipe cujo a cidade é GELADA e muito fria com campanha de 11 vitórias e 42 derrotas.

Das 16 seleções que o Wolves teve para o All-Star Game em sua história, 12 vezes vieram através de Garnett. Ele sempre representou o time. A equipe está mal mais uma vez? Não tem problema! KG vai inflar a torcida novamente. Passará um conhecimento absurdo para os jovens. Quando Garnett estreou na NBA, Wiggins e LaVine não tinham completado UM ano de vida. Hoje serão companheiros de time. 

É o cara certo para assumir o controle das ações desta franquia que não vê a cor da pós-temporada há mais de uma década, e tentar resgatar o orgulho dos fãs. Então pense muito bem antes de criticar essa troca.

Siga o Paixão NBA no Twitter

1 comentários :

Excelente post amigo! Essa aí é pro Daryl Morey entender que as trocas vão muito além da frieza dos números. Cheguei aqui através do blog do balanacesta, mas já curti bastante! Novamente, parabéns pelo ótimo trabalho.

Postar um comentário

Manda a sua mensagem, solta o verbo, fã da NBA!