Acompanhe aqui:

28 de fevereiro de 2015

O mês fabuloso de Russell Westbrook


Você viu? Sport Science desafia Klay Thompson arremessar no escuro
O Paixão NBA agora está no Instagram: Siga @paixaonba!

A temporada 2014/2015 está sendo um ano formidável para Russell Westbrook. Anos e anos sombra de Kevin Durant, ele mostrava muito talento, mas não conseguia causar impacto na liga. Hoje, com as constantes lesões do companheiro e principal nome do Oklahoma City Thunder, o rapaz que era chamado de WesTO (por causa dos turnovers e das cagadas em quadra), hoje consegue mostrar um lado pouco observado: ele tem condições de ser o "cara do time". Ok, o post não vai abordar isso e nem fazer comparações com Durant, apenas mostrar os fabulosos números obtidos pelo armador nesse segundo mês de 2015.

O mês de fevereiro será lembrado por sua conquista no jogo das estrelas, em New York. Com 41 pontos (ficou a um de igualar o recorde histórico de Wilt Chamberlain), Westbrook foi eleito o MVP. Enfim ele pode segurar o troféu de atleta mais valioso. Beleza, era de um jogo "zuero", onde muitos não jogam um terço do que sabem, mas é especial e tem destaque. 

No Thunder, ele foi o principal nome que conduziu a franquia à zona de classificação dos playoffs pela primeira vez na temporada. Sim, depois daquele início horrível onde a franquia nem conseguia colocar 10 jogadores ativos para uma partida, o time se levantou e saiu da lanterna para a oitava colocação, colocando pressão no sétimo, o San Antonio Spurs.

Vamos aos números: dos 12 jogos disputados pelo Thunder em fevereiro, foram 9 vitórias e 3 derrotas, aproveitamento de 75%. Os números individuais do atleta impressionam: 31,2 pontos, 10,3 assistências e 9,1 rebotes. Quase um triple-double de média. Os 45,7% de aproveitamento nos arremessos foi o seu melhor, superando os 44,5% do mês de dezembro.

Por falar em triple-double, o armador anotou quatro TDs nesse mês. QUATRO. Quer mais? Ele anotou três de forma consecutiva. É apenas o 4º cidadão a conseguir o feito nos últimos vinte anos. Apenas Grant Hill, LeBron James e Jason Kidd conquistaram o tal feito nesse intervalo de tempo. Se olhar rapidamente seus números PÓS-All Star Game, ele anotou 31,2 pontos, 11,5 assistências e 9,7 rebotes. O MVP no ASG lhe fez muito bem e renovou seu gás. 

Os 14 jogos seguidos que ele desfalcou o Thunder no início da temporada, e a campanha apenas regular da franquia, podem o colocar atrás de Curry e Harden na briga pelo prêmio de MVP, no entanto não podemos ignorar sua caminhada para chegar nessa disputa. Se você ainda zoa esse rapaz por erros no passado, mude seus conceitos e pensamentos. É um novo jogador. Agora segura!

Siga o Paixão NBA no Twitter

0 comentários :

Postar um comentário

Manda a sua mensagem, solta o verbo, fã da NBA!