Acompanhe aqui:

23 de dezembro de 2014

Josh Smith: subestimado ou superestimado?


Felipe Torquini (@toerquini)

Leia também: Michael Jordan em seu pior dia dez vezes melhor que Kobe Bryant

Josh Smith foi dispensado pelo Detroit Pistons após uma temporada completa (e alguns jogos da atual) e surpreendeu quase todos os fãs da liga. Ao abrir as redes sociais comentando este notícia, não sabia se estavam falando do ala/ala-pivô que começou a carreira pelo Atlanta Hawks e poderia(ou deveria) ter sido All-star por lá, ou se estavam falando de um Marcelinho Machado mais alto e com um chute ruim. Eu não sei se as pessoas esqueceram do quão bom ele era a tão pouco tempo e o quão injustiçado vem sendo, apesar do seu baixo desempenho onde ele também tem culpa, em Detroit. Josh me lembra Howard, que hoje vem sendo um jogador underrated na NBA após seu ano fraco em Los Angeles.

Se você for analisar um desempenho a seco de J-Smoove, nas 9 temporadas que ele disputou pelo Atlanta, somou em números 15.3ppg 8rpg 3.2apg 1.3spg 2.1bpg 2.5TOpg com aproveitamentos de .465% nos chutes, .285% nas bolas de três .654% nos lances livres em pouco mais de 34 minutos por noite. De cara, poderiamos dizer que ele é um bom defensor e um ala completo e estariamos certos? Sim, estariamos. Apesar de estatísticas simples mostrarem pouco, em relação ao Joshua elas podem resumir bem o que ele produz. Durante seu período com Joe Johnson e Al Horford, Smith sempre foi um defensor muito acima da média, que figurou entre os times de defesa já, com muita justiça. Não seria errado dizer que ele chegou a ser um dos melhores da NBA defendendo. Ofensivamente um jogador tão físico quanto na defesa, apesar de conviver dos chutes mais de fora e com a sua vontade de tentar esse arremesso que nunca foi seu ponto forte em quadra.

Se você está lendo isso e não acompanhou o forward pelo Hawks deve estar pensando que estamos falando de um craque? Exagero. Apesar de, injustamente ao meu ver, nunca ter recebido o chamado para um jogo All-star, ele sempre figurou na lista dos melhores de sua posição.



E, por que esse ótimo Josh Smith morreu em Detroit? Onde foi parar seu basquete? O motivo seria seu comportamento? Nunca foi santinho, mas longe de ser um super problema. Começando pelo começo. Uma das maiores reclamações em relação a sua contratação foi o salário que ele recebia. Cerca de 13 milhões a cada ano seria pago para contar com seus talentos na equipe. Ele vale isso? Se hoje ele fosse um free agent, vindo do Hawks, eu pagaria isso. Algo bem discutível, mas levando em conta os contratos que estão sendo oferecidos atualmente, não seria certamente algo absurdo. Analisando após pouco mais de 100 jogos disputados pela equipe três vezes campeã da liga, podemos afirmar que foi um contrato ruim. Isso é injusto na maioria dos casos, já que ninguém saberia que ele seria um erro tão grande, mas nesse especificamente não.

A franquia já contava com Andre Drummond e Greg Monroe, dois pivôs, o segundo podendo ser utilizado como ala-pivô. Sobraria para J-Smith ser o small forward da equipe. Ele sempre foi e sempre será um melhor jogador na posição 4. Pode ser utilizado como um 3, mas não como um 3 que tenha que espaçar a quadra.

Você vai fazer o seu jogador jogar na posição que ele rende menos, com uma das funções que ele não sabe executar (e como vimos, ele executa várias com exatidão) e quer um retorno bom? Certamente isso não daria certo. Para piorar as coisas, seu armador é Brandon Jennings, que dispensa comentários e merece uma publicação para si. Em números, sua estréia pelo Pistons foi a pior temporada dele em aproveitamento dos chutes e, disparadamente a que ele mais arremessou bolas valendo 3 pontos. Como se não bastasse, foi a pior em rebotes desde a sua season de novato (o que é natural quando se tem Dre e Greg) e a que ele menos bloqueou os adversários. Joe Dumars, General Manager, não fez um bom trabalho. Stan Van Gundy assumiu o controle da equipe nessa temporada e é o principal responsável pela dispensa do SF/PF. No início da temporada, houve as falácias que os três grandes são seriam utilizados juntos em quadra por muito tempo, Monroe foi para o banco e Smith foi movido para sua posição onde consegue render mais. Não deu certo. Os três seguem sendo muito usados juntos e Smith segue sem se sentir confortável na equipe. 

O pior vem quando você para e enxerga que, nas coisas que ele conseguia fazer seu bom trabalho como em seu jogo inside e sua defesa, já não faz mais na atual temporada. Pela primeira vez na carreira, ele vem produzindo um win share negativo para sua equipe. Na primeira temporada seu WS já havia sido o menor da carreira de longe... O clima não parece bom entre ele e a franquia há um tempo. Algo está errado. Josh Smith vai procurar novos rumos.

Onde pode ser um bom lugar para J-Smoove? Kings tentou o jogador na offseason. Rockets já havia demosntrado interessa em ter ele ao lado de Howard no garrafão há algum tempo. Clippers, Mavericks, Heat, entre outros times pintaram como interessados. Gostaria de ver ele em um time forte, Houston ou Los Angeles Clippers são os destinos mais atraentes para ele como jogador. (lembrando que essas equipes surgem como rumores, não significa que ele acabe em uma delas)

Los Angeles Clippers: seria o ala titular e a força defensiva que a equipe precisa. Não precisaria ser um scorer, já que a equipe conta com um shooter, um sixth man scorer, Blake Griffin e Chris Paul que pode pontuar muito bem além de boas opções na reserva como Hawes.

Houston Rockets: ao lado de seu amigo Dwight Howard, seria uma loucura defensiva caso os dois consigam encaixar e conseguir colocar em quadra 75% do que sabem fazer para segurar os adversários. O esquema ofensivo do Rox pode ser um problema, já que a equipe usa muito os chutes longos.

Sacramento Kings: Rudy Gay, Josh Smith e DeMarcus Cousins na sua frontcourt? Talvez seja tarde demais para buscar playoffs no Oeste, mas a equipe vinha forte com DMC saudável e de qualquer maneira seria curioso ver esse trio, já que depois que Gay deu certo nessa loucura chamada Kings, tudo pode acontecer.

Dallas Mavericks: após Rajon Rondo, Josh Smith? Ambos são amigos de longa data, assim como o ala é do pivô do Houston, ele contaria novamente com outro treinador genial. Um treinador capaz de tirar o máximo de Monta Ellis. Tavez em Dallas, ele não fosse titular, já que a equipe levou Chandler Parsons para ser seu ala na offseason, e o mito Nowitzki ainda joga e muito basquete, mas teria provavelmente, uns 25 minutos pelo menos em quadra e a chance de ter seu máximo tirado é grande. 

Miami Heat: talvez seja o time com mais encaixe para ele. Norris Cole, Dwyane Wade, Luol Deng, Josh Smith & Chris Bosh? Isso daria muito trabalho para os times do lado leste. Smith reforçaria uma área “soft” muitas vezes da equipe. É um dos meus destinos favoritos para ele.

0 comentários :

Postar um comentário

Manda a sua mensagem, solta o verbo, fã da NBA!