Acompanhe aqui:

17 de março de 2014

Última escolha do Draft de 2011, Isaiah Thomas mostra todo o seu talento na NBA


Você se inscreve no Draft da NBA e vê 59 jogadores serem selecionados na sua frente. Resta apenas mais uma escolha. O que fazer? Imagina a cabeça do atleta. Ser a última escolha do Draft é sinônimo de ter as chances de ganhar espaço dentro da equipe praticamente mínimas.

Adam Silver anuncia: o Sacramento Kings, na 60ª escolha (!!!) seleciona Isaiah Thomas. Esse nome chamou atenção por causa da semelhança com o nome do brilhante armador do Detroit Pistons, Isiah Thomas. Enfim, escolha feita e Isaiah sobe no palco, recebe o boné do Kings e leva consigo mesmo o rótulo de "a última escolha".

Seus números na faculdade são bons: em 3 anos atuando pela univerisade de Washington, tem médias de 16,4 pontos e 4,0 assistências. O fato de não ser aquele exímio passador que lembrasse John Stockton o desvalorizou um pouco. Ok, etapa concluída. Vamos ao trabalho com o restante do elenco do Kings. A chance de ser dispensado era imensa. Mas ele ficou. E teve uma boa primeira temporada: em 65 jogos, o armador teve média de 11,5 pontos e 4,1 assistências (25,5 minutos por jogo).

Logo no segundo ano, recebe mais oportunidades como titular e vê um leve salto nos números, porém valiosos: 13,9 pontos e 4,0 assistências em 26,9 minutos (reparem como seus minutos não cresceram muito). Sua afirmação vem na terceira temporada. Com a paciência da franquia e o esforço do atleta, hoje Isaiah tem média de 20,4 pontos e 6,3 assistências.

Colocando ao lado dos números de Kyrie Irving (21,5 pontos e 6,3 assistências), não parece que um é a primeira e quem é a última escolha. Na Califórnia, o camisa 22 ainda não tem a condição de "o cara do time" porque joga ao lado de DeMarcus Cousins e Rudy Gay. Em Ohio, Irving já é o dono da franquia e tudo passa por suas mãos.

Apesar da campanha negativa dos Kings, os comandados do técnico novato Mike Malone têm tudo para ter uma temporada de mais sorte em 2014/2015. É uma equipe nova que precisa ter paciência para almejar algo como playoffs por exemplo. Tendo sabedoria para fazer um bom papel no Draft e ficar de olho no mercado de agentes livres, podemos ver um Kings bem perigoso. Isaiah está recebendo o salário mínimo da NBA desde 9 de dezembro de 2011. Agora cabe a pergunta: o que os executivos vão fazer para mantê-lo? Com ele no elenco, a garantia de jogadas rápidas, belas infiltrações e bom entrosamento com DeMarcus Cousins estão garantidos. Reforçando o elenco, a chance dessa equipe crescer são excelentes. Vamos aguardar os próximos capítulos. Mas fica aqui o registro da bela temporada de Thomas. É de colocar inveja em muito Anthony Bennett e Kwame Brown por aí.

0 comentários :

Postar um comentário

Manda a sua mensagem, solta o verbo, fã da NBA!