Acompanhe aqui:

24 de junho de 2011

O teto salarial é o problema


Dizendo que ele reflete um "desejo de ir o mais longe possível para evitar a greve", o comissário da NBA, David Stern, revelou na terça-feira que os proprietários se afastaram da insistência de um teto salarial rígido. Os jogadores não vêem dessa maneira.

Então parece que o sistema cheio de limites permanece como o maior obstáculo para um acordo de negociação coletiva. O atual expira do dia 30 de junho.

Stern disse que a liga tem proposto um teto salarial em que as equipes teriam como alvo uma quantidade de dólar para gastar, mas ainda seria permitido ultrapassá-lo até um nível não especificado. Jogadores afirmam que ainda é difícil um acordo, pois apesar dos proprietários desistirem da ideia de um teto rígido, o valor proposto não agradou. E vai seguindo essa mesma história: por mais que as negociações avancem, sempre haverá divergências.

O próprio presidente da associação dos jogadores, o armador do Los Angeles Lakers, Derek Fisher, admite que ambos os lados ainda estão distantes devido esse problema do teto salarial, além de problemas econômicos.

Anote aí, amigo. O tempo está se esgotando. A partir dessa sexta-feira, menos de uma semana para que os chefões da NBA e união dos jogadores se acertem. Caso contrário, como todos estão bem informados, vamos passar pelo mesmo episódio ocorrido em 1998, onde houve uma paralisação e cada equipe jogou somente 50 jogos.

1 comentários :

Só deixar claro que se tiver a lockout não quer dizer que vão ter só 50 jogos, ficará paralisado até entrarem em acordo, podendo nem ter a temporada.
Podem ser de 81 a 2 jogos na temporada, exclusivamente dependendo de quando entrarem em acordo.

Postar um comentário

Manda a sua mensagem, solta o verbo, fã da NBA!