Acompanhe aqui:

5 de abril de 2011

De um por todos para todos por um

"Esse é o principal jogador? REALLY?!?!?"

Sérgio Júnior

Parece que foi ontem que estávamos falando para onde o Melo ia. Era assunto em todos os sites, no twitter, no facebook, nos fóruns, nos bares e em todos os lugares. E com certeza nenhuma dessas pessoas que discutiam a troca apostaria no sucesso do time de Denver. Uns acreditavam que o time nem chegaria aos playoffs, outros apostavam numa reformulação total com direito a saídas de Gallinari e Felton, mas o time se manteve e ia daquele jeito para o resto da temporada.

Então o time venceu o Grizzlies sem os antigos jogadores e sem os novos. Na estreia dos novos jogadores veio uma vitória sobre o Celtics, um time abatido com a saída de Perkins. E veio a terceira, a quarta, a quinta...e a décima sexta vitória da era pós-Melo e com apenas quatro derrotas. Em um pouco mais de um mês o time saiu de um ponto de interrogação para um time que tem reais chances de avançar nos playoffs. O momento máximo desta campanha foi na noite de ontem quando o time venceu o Lakers em pleno Staples Center. E não era um Lakers qualquer, era um time que vinha com nove vitórias em sequencia e apenas uma derrota desde o All-Star.

O segredo disso tudo é a coletividade. O time deixou de ter um ponto fixo de ataque e ganhou um time onde qualquer jogador pode finalizar as jogadas e o principal jogador é um italiano sem tatuagem de 22 anos. Nos últimos 20 jogos foram 8 cestinhas diferentes, enquanto que Melo foi cestinha em quase 40 dos 50 jogos que disputou pelo Denver esse ano. Pode ser mais difícil marcar o Melo, mas se complica quando um time tem até 9 jogadores capazes de derrubar 20 pontos numa noite. Outra mudança está na armação, sem Billups o time ganhou na juventude e na velocidade, do jeito que Karl gosta. Com o jovem Ty Lawson mostrando que cada dia está mais experiente e com Felton cada vez mais se encontrando em Denver, o time fica com duas opções fortes e sem mudar o estilo do jogo. Com essa velocidade e a variedade de opções o Denver hoje tem o melhor ataque da liga.

Outro ponto chave é a defesa, Melo sempre foi conhecido por sua defesa pífia e agora o time conta com jogadores aplicados e habilidosos na defesa, como Chandler e Felton. Além deles, Andersen, Kenyon e Afflalo continuam o ótimo trabalho que já faziam na temporada. Com essas adições o time do Denver tem a melhor defesa desde a pausa do All-Star.

Combinando o melhor ataque da NBA com a melhor defesa desde o All-Star, o time do Denver chega como uma força real nesses playoffs, com o maior problema sendo a falta de uma estrela. Nos últimos anos lembramos apenas do Detroit Pistons de 2004 como um time sem nenhuma grande estrela, todos os outros times tinham pelo menos um jogador onde o time jogava ao redor. O maior trunfo do time nesses últimos 20 jogos pode acabar se tornando o grande problema na pós-temporada, mas George Karl tem experiência de sobra e parece estar pronto para esse desafio. O mesmo disse que está feliz com ninguém apostando em seu time e que isso pode ser benéfico ao seu time. Com essa campanha, George Karl também aparece como um dos principais nomes para o treinador do ano, um trabalho que vem demostrando o talento do treinador que ainda busca seu primeiro título na liga.

Resumindo em poucas palavras, diria que os torcedores do Nuggets têm motivos para ficarem animados, porém com plena consciência que uma derrota na primeira rodada dos playoffs para o Thunder seria a coisa mais normal do mundo. É festa em Denver, mas o time ainda é um azarão.

0 comentários :

Postar um comentário

Manda a sua mensagem, solta o verbo, fã da NBA!